Passagens por aqui ...

sábado, 19 de maio de 2007

Recortes


Essa semana, ao arrumar algumas gavetas. me deparei com um recorte de jornal. Eu costumava recortar no jornal tudo que me interessava e guardar em gavetas ou caixas. Depois de um tempo, esses recortes foram sendo esquecidos e amarelados. Eles permaneceram intactos, no entanto.
Especificamente falando do recorte que encontrei, reli e senti algo diferente: um sentimento estranho, algo indescritível. Era uma poesia, da poetisa polonesa Wislawa Szymborska, ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura de 1996. Esse poema, mais comtemporâneo que nunca, é profundamente real e descreve uma situação sob um foco raramente descrito. É um poema chocante e que me tocou há 10 anos quando o li pela primeira vez, tanto quanto me toca agora várias vezes após relê-lo ...


O terrorista, Ele observa


“A bomba explodirá no bar às treze e vinte.
Agora são apenas treze e desesseis.
Alguns terão ainda tempo para entrar;
alguns, para sair.
O terrorista já está do outro lado da rua.
A distância o protege de qualquer perigo.
E, bom, é como assistir a um filme
Uma mulher de casaco amarelo, ela entra.
Um homem de óculos escuros, ele sai.
Jovens de jeans, eles conversam.
Treze e dezessete e quatro segundos.
Aquele mais baixo, ele se salvou, sai de lambreta.
E aquele mais alto, ele entra.
Treze e dezessete e quarenta segundos.
A moça ali, ela tem uma fita verde no cabelo.
Mas o ônibus a encobre de repente.
Treze e dezoito.
A moça sumiu.
Era tola o bastante para entrar, ou não?
Saberemos quando retirarem os corpos.
Treze e dezenove.
Ninguém mais parece entrar.
Um careca obeso, no entanto, está saindo.
Procura algo nos bolsos e
às treze e dezenove e cinqüenta segundos
ele volta para pegar suas malditas luvas.
São treze e vinte.
O tempo, como se arrasta.
Ainda não.
Sim, agora.
A bomba, ela explode”

Wislawa Szymborska


Foto: Essa foto chocou o mundo, quando publicada na imprensa mundial por ocasião do ataque de rebeldes a uma escola em Beslan, na Rússia, no início de setembro de 2004. O rosto da mãe que observa a filha morta é tão indecifrável e profundo como o poema de Szymborska

2 comentários:

julianapelegrini_4 disse...

Muito legal esse poema, apesar de ser triste, mas fazer o que é a realidade crua e nua nos dias de hj. Parabéns. Vc escreve lindamente. Adoro ler seus textos. Continue assim. T adoro. Bjus.

Cazarim De Beauvoir disse...

onde achar mais poemas dessa poetisa?